The Cleaners: o trabalho que ninguém quer fazer nas redes sociais

Em 2013, o vídeo de uma violação de uma criança esteve online durante 16 horas. Isso gerou 60 000 partilhas no Facebook. Este acontecimento levou os autores do documentário “The Cleaners” – Moritz Riesewieck e Hans Block – a questionarem-se: como é possível isto ter acontecido? Quem (ou como) é que (se) modera o teor dos conteúdos que são partilhados nas redes sociais? São algoritmos? São pessoas? Pesquisaram sobre o assunto na internet e isso levou-os às Filipinas. Seria de esperar, Silicon Valley, ou então alguma potência mundial. Nada disso. A resposta encontrava-se nas Filipinas.

Foi neste país asiático que se estabeleceu uma espécie de base de controlo onde trabalham milhares de pessoas com esta função: limpar as redes sociais do conteúdo mais macabro que se possa imaginar. Milhares de filipinos trabalham nesta equipa (não se sabe, ao certo, o número exacto). São estas pessoas que controlam e decidem o que pode estar nas redes sociais e o que NÃO pode estar online. Para isso, têm de visionar o pior que a humanidade é capaz: assassinatos, suicídios, violações, espancamentos, agressões.

Este tipo de trabalho deixa marcas profundas nestes filipinos: muitos são vítimas de transtorno de stress pós-traumático, à semelhança do que acontece com militares que estiveram expostos a eventos traumáticos causados por guerras; os mais diversos transtornos psicológicos, depressão, ansiedade, etc.

“The Cleaners” é um documentário que revela este submundo das redes sociais, onde pessoas – em condições muito precárias (o salário mínimo nas Filipinas é de 242,06€. Nada é por acaso) executam um trabalho essencial e asseguram que as redes sociais não têm as portas abertas para o Horror (apesar de tudo).

Estas empresas trabalham em sigilo máximo e estas funções são secretas.

O documentário faz também outras revelações que não são, infelizmente, tão surpreendentes: esta equipa também recebe ordens no sentido de apagar determinadas publicações, a pedido de governos e decisores públicos, para influenciar um determinado grupo de pessoas.

As premissas da liberdade de expressão e da partilha – argumentos fundamentais para legitimar a importância das redes sociais – abrem, com este documentário, e à luz dos últimos acontecimentos (Fake News, Cambridge Analytica, etc) caminho para mais reflexão sobre a “saúde” das redes sociais e o seu futuro.

“The Cleaners” tem estado presente nos maiores festivais de cinema. Infelizmente, ainda não tem previsão para estrear em Portugal. Esperamos que este documentário, tão importante para nós que trabalhamos em redes sociais, passe pelo nosso país!

 

Texto por: Milene Moreira.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s